segunda-feira, 1 de março de 2010

Barquinho de Papel


Vivo tentando me manter à frente das emoções;
deixando de lado a antiguidade das lembranças de tudo aquilo que eu era.
À tiracolo a capacidade de sonhar que volta e meia se torna capacidade de sofrer.
No vai e vem dos dias volto ao ponto de partida para não perder a primeira beleza das frases, das palavras seguidas.
Te inventei assim de repente, em uma nudez sublime nas linhas tortas de devaneios do meu imaginário.
Será que todos os homens podem ser poetas ou isso é apenas um raro momento de emoção?
Então deve ser um momento contínuo; uma eterna resposta do meu ser traçando linhas e mais linhas de poesias.
Poesias que me vendem ilusões, imagens movidas de algo que queria ou quero e não consigo.
Não sei aonde buscar as respostas, nem sei se fiz as escolhas certas.
As vezes me sinto navegando em um barquinho de papel à deriva em um mar deserto.
Eu, navegante sem rumo.. deixando segredos abertos.
Quero um amor novo, leve e envolvente.
Um amor que nos deixe nos braços do vento, envolto em palavras certas, as tais palavras raras tão especiais que dizemos.
Quero um amor digno para que o poema vivo não se transforme em poema morto sem nome nem autor.
Já ouvi que o amor não escolhe pessoas, escolhe almas.
Pois aqui coloco minha alma, pronta para ser escolhida.

4 comentários:

Gabriela Castro disse...

Caramba! Esse foi de longe o texto mais lindo que já li aqui. Do começo ao fim, sem tirar nem por.

Ah, e eu estou esperando a festa, ou o açaí, tá?! srsr

beijão

*Bela Poeta disse...

Oi Tobias! Lindo mesmo este texto.
Quem nunca se sentiu como num barco à deriva, com o seus sentimentos fazendo longas ondas a procura de uma salvação?
Gostei muito. Parabéns pelo blog.
Bjs,
*Bela.

Mary disse...

lindo texto! que venha a escolha... certa ou não, o importante é que seja doce (como diria caio f).

;)

beijoss

Marina Flores disse...

o texto é lindo, me emocionei bastante, a ultima frase realmente me marcou! também vivo tentando me manter a frente das emoções,tentando esquecer o passado! Beijos