terça-feira, 21 de julho de 2009

Alívio de meu corpo


Me empresta as tuas asas; eu também quero voar. O céu não pertence só aos anjos; meu coração teima em pertencer só a você. Às vezes me pego de olhos fechados lembrando o doce sussurrar de sua voz próxima ao meu ouvido; meu braço dá sinal de arrepio e por instantes sinto teu corpo tocando o meu.
Lembro dos sorrisos, da incrível combinação dos nossos lábios.. dos longos abraços acompanhados de conforto. Lembro da sensação de me sentir a salvo nos teus braços. Ainda vejo teus passos pela minha sala, sinto teu cheiro na minha roupa e em certos momentos teu ouço me chamar com aquele apelido carinhoso que usava. Me viro tomado por uma ansiosa loucura... mas não vejo nada além dos meus velhos móveis.
Se não existisse felicidade eu diria que nós a inventamos, pois cada dia juntos era uma dose de perfeição, eramos crianças vivendo na terra do nunca, voando pra lá e pra cá, tocando nuvens, contando estrelas... Fazíamos surpresas um para o outro, aparecíamos de repente e adorávamos aquilo! Pela manhã quem saísse primeiro deixava bilhetinhos pela casa e o outro acordava e ia procurar ansioso rs. Mesmo fazendo isso direto sempre tínhamos novas palavras para expressar o nosso amor.
Meus Deus, como era bom te amar... chega a me dar um nó na garganta.
Como eu queria que você estivesse aqui do meu lado para deitar no teu colo e sentir aquele alívio, alívio que meu corpo nunca mais sentiu.
Nos amamos com todas as forças que um amor é capaz de ter. Fizemos das lágrimas os mais belos sorrisos e provamos que mesmo em silêncio é possível se dizer eu te amo. Mesmo assim pelo tempo fomos vencidos, nossos abraços ficaram frios e cada beijo foi perdendo o seu sabor.
O destino não nos permitiu seguir em frente.. talvez tenha sido melhor assim ou talvez não. Nunca saberemos como teria sido nossa vida juntos, nossos filhos..
Mas tudo valeu a pena. Cada minuto, segundo.. cada abraço, cada sorriso..
Só queria dizer que você foi o melhor amor que vivi em toda a minha vida.
E eu daria tudo para viver isso novamente.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Uma dose de Vinícius..


PARA VOCÊ, COM CARINHO

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidadeque tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor temintrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências.
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção decomo me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer… Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.”

Vinícius de Moraes

A última carta


Muitas vezes as pessoas dizem "eu te amo" sem querer dizer nada, dizem em qualquer momento ou só porque ouviram. Eu não tenho mais pra quem dizer, pois você foi embora.
Queria poder te trazer de volta, mas sei que os que vão não podem mais voltar.
Tudo o que me resta é ficar aqui, esperar o dia em que eu também possa ir e finalmente te reencontrar.
Mas é difícil ficar só, sem o teu beijo, sem a tua pele, sem o teu amor..
Sinto falta do que sentia e das forças que existiam em mim. Hoje me sinto carente e sozinho.
Queria que tudo mudasse, que perto de mim você ficasse, que me desse carinho, segurança e amor.
Tu nem imaginas a falta que teus beijos me fazem. As noites sem você ficaram frias, a saudade tomou conta dos meus dias e agora já nem sei quem sou.
A casa ficou tão grande.. na televisão os mesmos programas e no espelho só vejo o teu rosto.
Lá fora não sei se é dia ou noite, se há sol ou chuva.. há dias não vou trabalhar, não recolho o jornal nem as correspondências.
Se eu pudesse, anularia aquele dia.
Às vezes me culpo, outras me revolto e, por instantes deixo de acreditar em Deus. Acho que ele se esqueceu de mim.. me tirou a única pessoa capaz de me fazer feliz.
Sabe que dia é hoje?
É o nosso aniversário.
Vou te levar flores.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

1º Post!


Olá! Sejam bem vindos..

Há muito tempo que uso as palavras, é a forma que encontrei para aliviar, saciar a imensa vontade que sinto de viver.
Com o tempo fui guardando os cadernos cheios de palavras, histórias vividas e imaginadas. Mesmo trabalhando com informática demorou um bom tempo até trazer as palavras para um blog, sempre preferi a magia no deslizar do grafite dos lápis no branco infinito das folhas. Hoje mal lembro quando foi que escrevi a última carta.. nem sei o valor de um evelope comum.
Você se lembra quando foi a última vez que pegou papel e caneta para escrever uma carta??

Bom, fiquei um tempo afastado das palavras.. e agora estou de volta.. reencontrei minha inspiração.. e decidi libertar meus cadernos do imenso mundo do meu quarto.
Aqui você irá encontrar momentos que vivi e momentos que eu gostaria de ter vivido e se você não entender algum texto, não se preocupe.. leia novamente... Depois pegue papel e caneta e experimente.
Escrever é um passeio para a alma.